mudanca de escolaA época de renovar a matrícula do filho na escola costuma avivar certas dúvidas que acompanharam alguns pais pelo ano, que ao se depararem com alguns contratempos, foram se questionando sobre se a instituição escolhida realmente era a melhor.

Apesar de todos os cuidados que se possa tomar ao optar por algo, a melhor maneira de se conhecer qualquer coisa é a real experiência. Há sempre diferença entre o que se imagina e aquilo que é encontrado.

Trocar a instituição educacional por outra não deve ser algo banalizado. Não é como trocar de camisa. Vislumbrando que todas ensinam a mesma coisa, reforçando a ideia de que não há problema algum em mudar, outros aspectos podem ser perdidos de vista. Como, por exemplo, o social.

É na escola que os principais laços de amizade são formados. Para os adultos é fácil lembrar esses amigos da escola e o quanto foram significativos. Inclusive alguns, longe ou perto, ainda fazem parte de suas vidas.

Na busca pela instituição ideal, muitas crianças ficam pulando de uma para outra, o que pode ser uma experiência sofrida. Interferindo negativamente no estabelecimento de vínculos afetivos. Ouvi de algumas pessoas o quanto foram resistentes em fazer amizades, afinal “… logo mudariam de escola e aqueles amigos ficariam para trás”.

Essas amizades também têm uma importância para a própria aprendizagem. Apesar de muitas vezes umas serem cruéis com as outras, é no grupo que as crianças costumam encontrar o apoio necessário para se arriscar a aprender. Para isso, a convivência do dia a dia se faz necessária.

Este aspecto tem peso maior na adolescência. Com a intenção de que o filho se prepare melhor para o vestibular, a troca de colégio é feita. Às vezes, a revelia do jovem. Nesse momento da vida, mais que nunca, o grupo faz toda diferença, principalmente para aqueles que se sentem muito diferentes. Nada como ter velhos conhecidos passando pelos mesmos conflitos.

Outro fator importante é a própria escola em si, considerando as pessoas, o ambiente físico, sua forma de ensinar etc.. À medida que vai sendo conhecida pela criança, tudo se torna mais fácil e seguro. A cada mudança, as coisas têm que ser desbravadas novamente.

O ideal mesmo é que a criança não mude de escola, ou que isto aconteça o mínimo possível durante sua vida escolar. Motivado apenas por um grave fator, que de outra forma não poderia ser resolvido, como é o caso de uma importante dificuldade de convivência social, falta de adaptação ao método, aspecto financeiro, bullying (quando, apesar das tentativas, o problema não se resolve) e outros.

Apesar do adiantado do ano, agora é a hora para quem não vê outra alternativa. No entanto, muitos problemas são carregados, pois não dependem da instituição.

Se há uma insatisfação justificada com o colégio atual, o melhor é procurar outro. Com o cuidado de não ser mais um para experimentar. Por isso, ele deve ser conhecido previamente, onde prós e contras são devidamente ponderados.

Fonte: Portal de Notícias da Globo